=‘•..•’= O Gato se esconde atrás de sua ferocidade para se proteger...mas se observarmos com o coração podemos decifrar sua real personalidade e perceber a doçura que se esconde profundamente em teu olhar =‘•..•’=...by VGitana Bastet

⇩Postagens

⇩Postagens

Até breve ...


Miau, Miau, é hora de ronronar, até o sol raiar , até breve ... 

by_____=‘•..•’= VGitana Bastet © =‘•..•’=
Respeite os Direitos Autorais
© Todos os Direitos Reservados

=‘•..•’= Gatos com FIV ou FeLV


É o pesadelo de toda mãe descobrir que o filho peludo está doente, mas é pior ainda quando o peludo está doente e a gente não sabe. E a FIV e FeLV são tão sorrateiras quanto perigosas. As duas ainda não tem cura.

O grande perigo da FIV e FeLV é que elas podem passar anos no organismo do gato sem que você saiba. E quando o diagnóstico é feito, pode ser tarde demais. A maior arma contra elas é a informação, saber que seu peludo é portador e saber detectar os sinais de problemas precocemente podem salvar a vida dele.

A FIV (Feline Immunodeficiency Virus) ou AIDS Felina é causada por um vírus da mesma classe que o HIV, ele diminuí a capacidade do organismo de combater doenças, ou seja, diminui a imunidade. Como a AIDS humana, o vírus em si não é letal, mas qualquer gripe simples pode se tornar um verdadeiro pesadelo da noite para o dia, já que o gato não tem como combatê-la de maneira eficiente. E é aí que mora o perigo: doenças que não seriam tão graves se tornam letais, e de maneira muito, muito, muito rápida.

A FeLV (Feline Leukemia Virus) ou Leucemia Felina também é causada por um vírus e ele também causa deficiência imunológica, mas além disso pode causar câncer nas células sanguíneas (leucemia). Assim como a FIV, não tem cura e qualquer doença pode se tornar letal se não for tratada a tempo.

Como ocorre a transmissão

Basicamente, o vírus é transmitido de um gato para outro.

A FIV, como a AIDS humana, é transmitida pelo sangue, principalmente por brigas e mordidas. Já a FeLV é muito mais fácil de ser transmitida: ela “passa” pela saliva e pelo contato próximo, inclusive pela caixa de areia, pelo pratinho de comida ou de água, e também por brigas e mordidas.

Como descobrir se o gato é portador

A única forma de descobrir é fazendo o exame de sangue específico para diagnosticar FIV e FeLV. O exame de sangue comum não detecta os vírus e não pode ser usado para excluir a possibilidade de o gato ser portador. Muitos gatos com FIV ou FeLV simplesmente ficam doentes com mais frequência, mas muitos outros são assintomáticos, por isso todos os gatos, saudáveis ou não, devem ser testados ao menos um vez na vida.

Cuidados especiais com gatos portadores

Se descobrir que seu gato é portador, não desespere: ele não sabe que é portador e provavelmente vai continuar sendo feliz e pulando pela casa como sempre. Pode até ser que ele tenha o vírus e nunca apresente sintomas. É você que terá que tomar algumas medidas para protegê-lo, pense que deve cuidar dele como se ele fosse um bebê, que precisa de um lugar quentinho e proteção de uma mamãe-coruja.

Antes de tudo, peça orientação ao veterinário, ele poderá apontar formas de fortalecer o sistema imunológico que podem ajudar o gato a se manter saudável, a mais importante delas é por meio da alimentação (rações super Premium, no mínimo).

Aumente a frequência das consultas de check up, e em todas elas peça exames de sangue para acompanhar a saúde do gato e detectar qualquer alteração a tempo. Gatos positivos para FIV (chamados FIV+) ou para FeLV (FeLV+) devem ser mantidos exclusivamente dentro de casa, sem acesso à rua ou a gatos desconhecidos, e livres de parasitas – inicie imediatamente o tratamento caso detecte pulgas ou carrapatos.

É óbvio que não se deve causar stress desnecessário a nenhum gato (dar banho sem motivo, força-lo a conhecer visitas de quem ele tem medo, etc), mas principalmente a portadores de FIV e FeLV, já que o stress contribui – e muito – para a queda da resposta imunológica.

E o mais importante: aprenda a detectar problemas. Confira sempre o peso, a pele, a boca, as orelhas, a disposição e apetite do gato. Mantenha tudo anotado (na porta da geladeira, que tal?) e corra para o veterinário a qualquer mudança (se ele comer menos ou mais, mudar a ingestão de água, tiver problemas para ir ao banheiro, ficar mais quieto ou agitado de repente). Lembre-se que gatos são muito bons em esconder que estão doentes e quando os sinais aparecem a coisa pode estar num nível perigoso.

Como proteger o gato que não é portador

Como as duas doenças “passam” de um gato para outro, a melhor forma de proteger um gato saudável é evitar que ele tenha contato com gatos portadores. Isso significa que a melhor proteção é evitar que ele tenha acesso à rua. Além disso, sempre que for trazer um gato novo para casa, certifique-se de que ele não é FIV+ ou FeLV+ antes de apresentá-lo ao seu gato. Existe vacina para FeLV no Brasil (a V5), mas sua eficiência não é 100% comprovada.

Gatos saudáveis e gatos com FIV ou FeLV podem viver juntos?

Uma pergunta comum, e uma resposta direta: não. Como ambas as doenças são transmissíveis, ou seja, podem “passar” de um gato para o outro, o risco de manter gatos saudáveis e gatos portadores juntos é muito alto. Gatos com FIV precisam viver com outros gatos com FIV, e os com FeLV com outros gatos com FeLV.

E por fim… Quão grande é o seu coração?

Pelo motivo explicado no item anterior, infelizmente muitos gatos FIV+ ou FeLV+ acabam passando a vida toda em abrigos esperando uma família que os adote. Então se você não tem nenhum gato, ou tem um FIV+ ou FeLV+, que tal adotar um novo peludinho e salvar uma vidinha de ficar condenada a um abrigo? Gatos com FIV e FeLV precisam de muito carinho, muito colo, muito amor… e costumam retribuir à altura!

Lista de ONGs do Brasil todo clicando aqui.

Como fazer o gato parar de soltar pelo =‘•..•’=

Imagem Pública
A queda de pelos em gatinhos é um fenômeno natural, principalmente naquelas raças que têm pelos mais longos. Porém, quando isso acontece em excesso, é hora de prestar atenção, pois algo na saúde do seu bichinho de estimação pode estar errado.

A queda de pelos em gatos é a responsável por manter a pelagem do seu companheiro sempre brilhante e bonita. O problema está quando essa queda é exagerada, deixando tufos de pelos pela casa inteira. Separamos algumas dicas para ajudá-lo a contornar essa situação. 

Preste atenção na alimentação do seu gato

Para fazer o gato parar de soltar pelo, uma ração de qualidade e balanceada é fundamental. Opte por uma ração que ofereça Ômega 6 e Ômega 3, dois elementos que ajudam a manter a saúde da pelagem do seu pet.

Escove os pelos do seu gato frequentemente

Essa é outra dica simples e eficiente. Procure escovar a pelagem do seu animal de estimação pelo menos duas vezes por semana. Desta forma, todos os pelos mortos ficam na escova e não espalhados por toda a casa.

Evite momentos de estresse

A ansiedade e o estresse são duas das principais causas da queda de pelos em gatos. Então, é muito importante você garantir ao seu animalzinho de estimação um dia a dia tranquilo. Entre as principais causas de estresse em gatos estão mudanças de residências, visitas frequentes a veterinários e barulhos anormais. Evitando esse tipo de situação, menores são as chances de o seu bichano perder pelo em excesso.

Dê banho no seu gato

Muitas pessoas pensam que gatos não devem tomar banho, mas essa é uma informação equivocada. Gatos devem, sim, tomar banho de tempos em tempos. Crie uma rotina de banho para o seu animalzinho, não inferior a uma semana. O ideal é dar banho no seu gato uma vez por mês. Isso ajuda a fazê-lo parar de soltar pelo.

Acostume seu gato a dormir em um único local

Essa dica não necessariamente faz seu gato parar de soltar pelo, mas ajuda a manter a sua casa ou apartamento sempre limpo. Ao habituar o seu bichinho a repousar sempre no mesmo lugar, torna-se mais fácil limpar e recolher os pelos, que ficam concentrados ali.

Se mesmo seguindo as dicas que mencionamos acima, o seu gato continuar soltando muito pelo, recomendamos procurar um veterinário para verificar as possíveis causas, como estresse ou deficiência nutricional, e o tratamento mais indicado.

Também há disponíveis no mercado produtos que afirmam reduzir a queda de pelos em gatos, como sprays, shampoos e óleos. Antes de adquirir esses produtos, procure a orientação de um veterinário para confirmar a sua eficiência.


Como Fazer o seu Gato Parar de Arranhar os Móveis


O fato dos gatos adorarem afiar as unhas nos móveis da casa pode parecer somente um comportamento destrutivo para os donos, mas não é bem assim. Para os bichanos, o que fala mais alto é a necessidade natural de manter as unhas amoladas e também deixar sinais visuais e olfativos no objeto, além de marcar o território e deixar isso bem claro para outros animais (sejam gatos ou não). Além do mais, arranhar é uma forma de atividade física para os gatos, já que alonga e contrai os ombros, as pernas e as patas.
 Como essa ação é muito instintiva para eles, você precisa de criatividade e esforço para proteger os móveis e os outros itens da casa. Porém, lembre-se de que nada é impossível.


Entendendo e redirecionando o comportamento


Entenda o propósito do arranhar
Um gato não apresenta esse comportamento apenas para irritar o dono. O ato de arranhar é uma maneira de exercitar os músculos dos ombros, das patas e das costas do animal.
Além disso, esse comportamento deixa as unhas bem afiadas e remove a película exterior de cada uma delas.
Os gatos também gostam de arranhar para marcar o território. As patas desses animais apresentam glândulas cujo cheiro não é notado pelos humanos, mas sim por outros bichanos.


Tenha paciência:
Seja compreensivo. Você ama esse gatinho, não é? Esses animais sabem disso e acabam sendo bastante recíprocos. Eles acabam fazendo de tudo para agradar o dono, contanto que saibam que serão elogiados e apoiados.
Com o tempo e um pouco de prática, o animal vai acabar deixando os móveis de lado e usando as alternativas fornecidas por você especialmente para isso.


Compre pelo menos um arranhador para o gato
Esse objeto será a solução para todos os seus problemas, você só precisa ter paciência e incentivar o animal a utilizá-lo.
Na hora de comprar o arranhador, há algumas coisinhas a serem levadas em consideração. Procure por um objeto tão alto quanto o animal quando ele se estica e fica de pé. Compre um arranhador firme e que não amasse nem entorte com o peso do animal. No entanto, o arranhador não pode ser pesado e grande ao mesmo tempo, pois pode cair em cima do bichano.
Há vários tipos e modelos de arranhadores. Alguns são como um tapete e outros são como um poste. Há arranhadores feitos de cânhamo, por exemplo. O importante é experimentar. É melhor ter vários arranhadores espalhados pela casa do que nenhum.
Alguns gatos preferem arranhar superfícies horizontais, como o revestimento de carpete, por isso, comprar um arranhador parecido seria o ideal. Nesse caso, há opções de papelão, sisal e até mesmo carpete.
Evite superfícies macias demais. Um arranhador precisa ser como o tronco de uma árvore (o elemento natural dos gatos): áspero e resistente. 
Os objetos revestidos com sisal são os melhores e, quanto mais fibras, melhor! Dessa forma, aquele sofá novinho não vai parecer mais tão atraente para o bichano.


Coloque o arranhador em uma posição estratégica. 
Analise os móveis arranhados pelo gato e coloque o arranhador o mais perto possível.
Se você acabou de adotar um gato, coloque o arranhador onde o animal costuma ficar.
Caso o gato esteja arranhando vários móveis em vários cômodos, espalhe arranhadores por todos eles. Ter mais de um arranhador é o ideal, principalmente se a casa tiver mais de um andar ou você tiver mais de um gato de estimação. Dessa forma, você consegue diminuir a probabilidade do animal sair arranhando os móveis daqueles cômodos sem opções específicas para ele arranhar.
Se o local preferido do animal arranhar for aquela poltrona na qual você se senta todos os dias, deixe o arranhador ao lado dela. Outra dica é colocar um peça de roupa sua em cima do arranhador ou utilizar a prateleira superior como um lugar para guardar objetos pessoais; assim, o gato vai identificar o item como algo particular do dono. Isso é muito importante caso o animal seja extremamente ligado a alguém da casa. Posicionar o arranhador perto da poltrona favorita dessa pessoa vai tornar o objeto muito mais atraente para o bichano.


Treine o animal a utilizar o arranhador. 
É possível condicionar o gato a utilizar um objeto específico para amolar as unhas. Para incentivá-lo, coloque-o na frente do objeto, faça carinho nos pelos dele e aguarde.
Para tornar o arranhador mais atraente, esfregue um pouco de catnip na superfície. Pode ser óleo, spray ou a erva em si.
Sempre que o gato usar o arranhador, elogie-o e dê um petisco para ele comer.
Alguns especialistas sugerem que você coloque as patinhas do animal no arranhador e movimente-as como se estivessem arranhando a superfície; no entanto, alguns gatos odeiam ser forçados a fazer qualquer coisa, e isso pode até mesmo ter um efeito negativo.
Outra opção é usar as próprias unhas para mostrar ao gato como arranhar.
Também é possível pendurar um brinquedo no arranhador. Isso vai atrair a atenção do gato e, durante a brincadeira, ele poderá descobrir a delícia de arranhar aquela superfície.
Outro método interessante de condicionamento é evitar cumprimentar o bichano assim que entrar pela porta de casa. Em vez disso, ande até o arranhador primeiro! Chegue perto do objeto, arranhe as unhas na superfície e demonstre o quanto está feliz em ver o gatinho. 
Quando ele se aproximar e começar a arranhar, comece a fazer carinho nos pelos dele e a elogiá-lo.


Ajuste a posição e o tipo do arranhador conforme necessário
Se o gato não estiver ligando para o objeto, sinta-se livre para movê-lo para outro lugar. Não force a barra! Pelo contrário, tente personalizar o item de acordo com os gostos do animal.
Por exemplo, se o animal apresentar agitação perto do arranhador, experimente colocá-lo deitado. Dessa forma, o objeto ficará menor e, consequentemente, menos ameaçador, enquanto o gato se acostuma com a novidade.
Os gatos desenvolvem preferências, assim como os humanos. Eles podem gostar de um tipo de arranhador específico. Portanto, use essa superfície! Pode ser sisal, carpete ou até mesmo um tecido de cortina. Fazer o animal parar de estragar os móveis e começar a utilizar um arranhador vai ser um processo bem mais fácil se você usar algo do qual ele goste.

Pondo um fim a comportamentos errados


Use o tom de voz para corrigir o comportamento do animal. Um "NÃO!" decidido sempre que o animal começar a afiar as unhas em algum móvel pode ajudar a diminuir o interesse do gato por aquela superfície.
Caso você não goste de gritar, bata palmas ou sacuda algumas moedas. Em seguida, pegue o animal e coloque-o em cima do arranhador. Não demonstre raiva nem fique descontrolado. Lembre-se de que o gato está apenas seguindo os próprios instintos. Você é humano, ou seja, pode muito bem se controlar.
Nunca brigue com o animal quando ele estiver perto ou usando o arranhador. É preciso que o gato associe o objeto a coisas agradáveis e a momentos felizes.


Utilize a água para impedir o gato de arranhar indevidamente. 
Caso tenha um pulverizador por perto, experimente molhar o gato sempre que ele começar a arranhar os móveis.
 De preferência, faça isso antes do gato começar a arranhar. A água não machuca, mas ajuda o gato a associar aquele comportamento a um esguicho desagradável!
Outra dica é utilizar uma mistura de óleos essenciais cítricos. Quase todos os gatos odeiam o cheiro de óleo de laranja, por exemplo. Misture partes iguais (mais ou menos uma tampinha de cada um) de óleos de eucalipto e laranja dentro de um pulverizador com água. Para testar a solução, borrife um pouco em um pano úmido e dê para o animal cheirar. Antes de cada uso, agite bem a garrafa — óleo e água não se misturam muito bem. Esse método não só ensina o gato a não arranhar os móveis, como também deixa a casa com um cheiro muito gostoso.


Redirecione a atenção do gato. 
Às vezes, é preciso impedir o animal de estragar os móveis de maneira física. Ou seja, sempre que observar o bichano arranhando no lugar errado, pegue-o no colo e arranje outra coisa para ele fazer. Dê um brinquedinho para ele, acaricie-o por alguns minutos ou faça qualquer outra coisa mais agradável do que arranhar.

Limitando o acesso do animal aos itens que ele goste de arranhar



Torne o móvel problemático menos atraente para o bichano. 
Alguns objetos se tornam os favoritos dos animais sem nenhum motivo aparente. Nesse caso, há várias opções:

Aplique fita dupla face ao objeto.
Nenhum gato curte aquela sensação pegajosa da fita, pois as patas são áreas muito sensíveis do corpo desse animal. Portanto, ele logo vai parar de subir naquele móvel
Se o sofá for muito grande, por exemplo, cole a fita sobre os braços e também na parte de trás — onde o gato geralmente gosta de brincar e se esconder dos esguichos de água.
Em carpetes ou tapetes, coloque folhas de papel adesivo com o lado colante para cima.
A fita dupla face pode ser colada em muitas superfícies: cortina, persiana, revestimento de carpete... qualquer coisa que seja do agrado do animal.
Uma dica muito boa é pegar uma passadeira de plástico ou vinil e colocar ao longo da parte de trás do sofá com o lado do relevo virado para cima. O animal não vai gostar nadinha da sensação daquelas pontinhas nas patas.
Se o animal gosta de aprontar sempre que fica sozinho em casa, cubra os móveis com capas plásticas. Quase nenhum gato gosta da sensação nem do cheiro desse material.
 Outra dica é colocar uma bexiga cheia embaixo da capa do sofá. Dessa forma, quando o animal for arranhar o móvel, o balão vai estourar e assustá-lo. Essa associação é muito eficaz e costuma funcionar muito bem.
Também já existe no mercado uma espécie de tapete operado a bateria ótimo para treinar o animal a ficar longe de determinados locais.
Considere a possibilidade de criar uma barreira com a ajuda de um detector de movimento afixado a um spray ou barulho ultrassônico. O recomendado nesse caso é corrigir o animal remotamente para que ele não associe a punição aos humanos. Se ele fizer tal associação, poderá começar a arranhar os móveis em segredo ou até mesmo apresentar medo de quaisquer humanos.
Tais produtos podem ser encontrados em lojas físicas ou on-line.


Se você tem antiguidades ou móveis de valor sentimental
Que tal colocá-los em um cômodo específico e sempre fechar a porta? Outra providência é avisar a todo mundo da casa que o gato nunca deve entrar naquela área. É importante que os humanos tenham esse cuidado, pois o animal não sabe a diferença entre um móvel e outro.
Se o gato conseguir entrar dentro do cômodo por algum motivo, expulse-o rapidamente para que ele associe o comportamento a algo negativo.

Limitando a capacidade do gato arranhar


Mantenha as unhas do animal bem aparadas. 
Como parte do motivo dos gatos arranharem seja para manter as garras afiadas e "lixar" o excesso de crescimento, você pode agir e fazer isso antes dele.
Caso não saiba como cortar as unhas do gato, peça ao veterinário para ensiná-lo. Do contrário, você poderá machucar gravemente o gato.
Se o animal não estiver acostumado a esse procedimento, poderá se sentir nervoso no começo. Entretanto, você precisa insistir. Não se esqueça de elogiá-lo durante todo o processo para que o animal saiba que aquilo é para o bem dele.
Em um animal sem acesso ao lado de fora da casa, pode ser interessante tirar as pontinhas das garras. Isso pode ser feito com um cortador de unhas (nunca use aqueles cortadores feitos para cães), mas é preciso saber a linha correta de corte para não machucar o animal. Na primeira vez, peça um profissional para auxiliá-lo.


Coloque protetores de unhas no gato. 
Hoje em dia, esse produto já está amplamente disponível no mercado. A função dele é cobrir as garras e, consequentemente, proteger os móveis. Esses protetores podem ser colados em casa mesmo ou, se quiser, no consultório veterinário. O produto cai dentro de três a seis semanas e, então, precisa ser reaplicado.


Deixe o animal sair de casa sempre que possível
Se o gato for criado livre, leve e solto, ele provavelmente já encontrou uma árvore para arranhar. Incentive esse comportamento e continue deixando-o sair. Arranhar a árvore vai diminuir o desejo de estragar os móveis.


Você já ouviu falar da onicotomia? 
Esse procedimento até poderia ser uma maneira rápida e fácil de evitar estragos aos móveis, no entanto, é uma cirurgia e, como tal, oferece muitos riscos.
Embora a onicotomia seja legal em muitas cidades dos Estados Unidos, é proibida no Brasil — junto com cirurgias que removem o latido, o miado, parte das orelhas etc. 
Tal cirurgia envolve amputar o dedo (e não só as garras) na última articulação. Alguns animais se adaptam bem, mas outros sofrem de dor crônica e, mais tarde, desenvolvem artrite!
Além disso, mutilar o animal dessa forma tira uma de suas defesas — talvez a mais importante.
Ao adotar um gatinho de uma ONG, o contrato geralmente contém uma cláusula impedindo a realização desse procedimento (embora proibida, muitos "veterinários" ainda aceitam fazer a onicotomia). 

Dicas

Os arranhadores com plataformas e tocas vão interessar muito mais ao bichano. O preço não é muito baixo, mas esses objetos costumam satisfazer a necessidade do animal de afiar as garras e também demarcar o território. Além do mais, escalar e pular são ótimos exercícios.

Os gatos odeiam frutas cítricas, tais como laranja e limão. Por isso, uma dica é colocar cascas de laranja temporariamente ao redor do móvel. Se o gato descobrir uma maneira de ultrapassar essa barreira, borrife um pouco de spray cítrico no móvel em si.
Nunca revista o arranhador com o mesmo tecido do sofá, da cortina, do tapete etc.
Se fizer isso, o animal vai fazer uma associação entre os dois materiais.
Se quiser e tiver habilidades de carpintaria, é possível fazer um arranhador em casa mesmo. Dê uma lida neste artigo para aprender.
Se você tem mais de um gato em casa, isso pode interferir no uso do arranhador. Se um animal estiver sendo dominado pelo outro, é importante fornecer um arranhador para ele também em outro cômodo. Lembre-se de que cada animal tem um lugar e um território favoritos. O mesmo acontece com o uso da caixa sanitária: muitos gatos demandam uma exclusivamente para ele.


Avisos


Posicione o arranhador em uma superfície estável para que o objeto não caia com o peso do gato.
Nunca grite com o animal. Isso só vai servir para enfraquecer a relação de vocês, pois o bichano não vai conseguir entender os gritos como punição. O gato simplesmente entende esse comportamento de maneira negativa e, por isso mesmo, sai de perto na hora e depois volta a fazer o que estava fazendo.
Tenha paciência com o gato. Caso se sinta esgotado, entre em contato com o veterinário e peça o contato de algum psicólogo comportamental. Esse profissional poderá ajudar bastante, mas poderá ser evitado caso você tenha só um pouquinho mais de paciência e persistência.

Materiais Necessários



  • Arranhador horizontal ou vertical, dependendo da preferência do bichano
  • Catnip (óleo, essência ou a erva em si)
  • Fita dupla face
  • Brinquedos
  • Pulverizador com água
  • Toalha para ajudar a restringir o animal na hora de aparar as unhas (se necessário)
  • Óleo de laranja (opcional)


Fontes e Citações
Caroline Davis, The Essential Cat, p. 35, (2005), ISBN 0-7621-0496-1
 Anitra Frazier, The Natural Cat: The Comprehensive Guide to Optimum Care, p. 111, (2008), ISBN 978-0-452-28975-8




Areia com Talco =‘•..•’=


A areia com talco foi desenvolvida, para tirar o odor da caixa sanitária dos gatinhos, quem mora em apartamento ou tem que deixar o gatinho em casa, sabemos como é desconfortável o mal cheiro, por mais que a caixa tenha uma boa condições de higiene  e a areia seja boa, sempre fica no ar aquele famoso "Cheiro de Gato" ,

A areia com talco, tira bem esse odor, ajuda a perfumar o ambiente, mas nem todas as areias perfumadas caem bem , pois muitas ativa ainda mais o odor se misturada com a sujeira da caixa sanitária. Saiba comprar e qual marca é mais confiável, pois existem marcas que exageram na quantidade do talco e o resultado acaba sendo desastroso.

Cuidado com a alergia, nem todos os gatos tem alergia a areia com talco, mas muitos tem alergia e muito. 

Para saber se seu gatinho tem alergia de areia com talco, basta prestar atenção,  nos olhos do seu gatinho, se os olhos estiverem lagrimejando muito, e cada vez que eles usam a areia ficam mais lagrimejantes ainda, é sinal que o talco está fazendo mal, 
Outra questão que tem que ficar atenta é o vomito, se ele vomitar mais que o normal que não seja pelas bolas de pelos comum dos gatos,  durante o uso da areia ele está sentindo enjoos, tanto por respirar o talco, como por ingerir vestígios da areia,  porque os gatos tem mania de limpar as patas depois que fazem suas necessidades, 
O talco também faz eles espirrar muito.

O cheiro do talco facilita nossa vida mas pode estar prejudicando seu gatinho, quando usar areia com talco fique atenta aos indícios de intoxicação, se não houver mudanças durante o período em que o gato esteja usando a areia, é sinal que ele não tem alergia, caso contrário pare de usar imediatamente o produto. E se você usa caixa de areia daquelas fechadas o perfume do talco fica ainda mais forte, os gatos tem muito mais contato com esse odor de talco do que nós por serem pequenos eles o perfume vai diretamente em suas narinas.

Passo essa dicas porque aconteceu com meu gatinho, ele teve todos esses sintomas durante o uso da areia, e ao parar de usar a areia com talco ele voltou ao normal.

Nossos gatinhos não sabem falar então cabe a nós prestar atenção nas mudanças que ocorrem no seu comportamento no dia- dia.e nem tudo que é bom para nós é bom para eles...=‘•..•’=
Preste atenção no seu gatinho ele não sabe falar, apenas se expressar... 



by_____=‘•..•’= VGitana Bastet © =‘•..•’=
Respeite os Direitos Autorais
© Todos os Direitos Reservados

Com roupa ou sem roupa?


Desde o antigo Egito onde surgiram os gatos, a humanidade vem domesticando cada vez mais os gatos.

Domesticar os gatos e castrar  é uma opção para proteger-lo, mas na concepção felina isso é tirar a liberdade de ir e vir, namorar e passear. Para eles qualquer muro alto ou uma janela com tela é uma prisão,  mas o que  eles não sabem é que a nossa intenção é das melhores,  para  proteger eles dos perigos das ruas,  mesmo em uma fazenda  onde se teria um espaço maior, ainda assim ele se sentirá preso.

Além da humanidade aprisionar com boas intenções a alma dos felinos, essa atitude foi aprimorada pois muitos humanos  gostam de colocar vestimentas no seu gatinho.

Existem várias, roupas para cães e gatos, fantasias. uma mais linda que a outra, o que para nós é muito lindo, chique e elegante, mas será que para eles isso é confortável?? 

Podemos colocar uma gravata, um lacinho, um bonezinho, mas se passar disso a coisa se complica pois o animal não consegue se movimentar, isso prende, isso o deixa limitado, É como cortar as asas de um pássaro.

Encontramos no mercado Pets, desde sapatinhos até casaco de frio, para gente fica lindo, fica uma graça, mas será que os nossos peludinhos estão confortáveis com isso?
O que é bom para nós sem sempre é bom para eles.

Deus foi fantástico em sua criação..
A pelagem dos animais tem uma proteção natural do qual eles precisam,  porque essa pelagem protege os animais, seja do calor , seja do frio,  suas patas tem uma proteção natural, ou seja, a pelagem é sua vestimenta e as patas os seus sapatos.

Assim sendo as vestimentas ficam por nossa conta, porque eles só precisam, de uma caminha quentinha no inverno e uma caminha mais fresquinha no verão, mas livre para poder se locomover, pular, brincar, sem nada que o incomode. 

Não se pode tratar um animal que tem a alma livre igual uma criança, igual um ser humano, nosso peludinhos já foram domesticados demais, temos que ter um bom senso de pelo menos dar a liberdade em relação ao seus movimentos, do dia dia , roupas e sapatos colar de brilhante, fazem diferença para quem quer que eles usem, mas para eles não tem diferença alguma a diferença que exste é a falta de liberdade de se movimentar, de brincar, sem ter  algo estranho em cima deles.

Mas se você não abre mão de satisfazer o seu ego e quer ver seu animalzinho com roupas e sapatos coloridos, então saiba escolher e sempre se pergunte será que meu peludinho se sentirá bem com isso?, e não apenas gostar e achar bonito e colocar a vestimenta, sem se preocupar, se o tecido é leve, se o sapatinho é mesmo necessário, Se coloque no lugar deles, sempre coloque o bem estar do seu peludinho antes de suas vontades pessoais.

Temos que sempre avaliar que a pelagem dos animais já aquecem o seu corpo é um aquecimento natural, se vestir um tecido muito quente o calor triplica, devido a pelagem já ter um aquecimento natural,  isso serve também no Inverno.

Nunca se esqueça o que pode ser bom para nós, pode não ser bom para eles, antes de comprar alguma vestimenta certifique do tecido, certifique do tamanho, e preste atenção de como seu peludinho se comporta, com essas roupas ou sapatos, porque para eles, pode se tornar um incomodo. 

Podemos domesticar os felinos,  mas sua alma é livre então tente evitar, pesos de roupas, coleira apertadas, e sapatos.  Mesmo o gato da raça Sphynx que não tem pelo algum, tem sua defesa natural mas essa raça é mais sensível e se precisar colocar alguma vestimenta, tem que ter os mesmo cuidados, com o tipo de  tecido, e  o peso das vestimentas.

Nunca se esqueça, nosso mundo é completamente diferente da dos animais, o mundo dos humanos para os animais é algo estranho, e cada animal tem a sua própria personalidade,  e sua liberdade, e nem tudo que é bom para nós é bom para eles...

by_____=‘•..•’= VGitana Bastet © =‘•..•’=
Respeite os Direitos Autorais
© Todos os Direitos Reservados